18 de fev de 2010

Os pedaços


Os pedaços que passam despercebidos na vida é que são valiosos. São eles que trazem sentido. Mas as pessoas vivem sem percebê-los. Algumas morrem assim. Outras pessoas percebem apenas quando esses pedaços valiosos lhe são tirados.
Não importa se esse pedacinho lhe trouxe dor ou felicidade. Eles é que são o sentido da existência.
Lembro de alguns pedaços.
Se fechar os olhos agora, e parar de digitar... Eu posso senti-los. O dia que aquele me beijou pela primeira vez. A música que tocava. A falsidade dos seus atos. A ausência. As madrugadas sem dormir. Eu sentada na porta olhando o céu mas esperando vê-lo se aproximar. O jeito que ele dormia. O espaço que ocupava na cama. O modo como segurava a minha gata preta no colo. O sorriso. A mentira no olhar que eu não queria ver. Os filmes que víamos juntos. A cozinha bagunçada. As marcas dos seus pés molhados pela casa após o banho. A voz desafinada cantando. O jeito de sentar frente ao computador para escrever. As fugas quando suas mentiras corriam o risco de ser desmascaradas. O peso da sua mão batendo em minhas faces. As roupas jogadas no roupeiro. As unhas dos pés mal cuidadas. Os roxos na pele pelo futebol. O jeito que ele ficou bêbado. As tolices que falava. O olhar negro, fugitivo e cheio de traições.
Esses pedaços de dor tão reais embora já mortos.
Outros pedaços nasceram...
A amizade de alguém pelas conversas de msn. A doçura. A confiança sobre seus atos e seus medos. O primeiro beijo que ele me deu. A sensação estranha que senti. O calor desse ser. O meu medo de confiar. A minha insegurança de não conseguir amar. O carinho do toque dele. Os abraços verdadeiros. As músicas em inglês. A atenção sincera. O jeito de sentar e cruzar as pernas que me deixa intrigada. O lado romântico. O lado mecânico. O cabelo que fica bagunçado. O sorriso de menino. O olhar de homem. A paixão pela informática e pelo conhecimento. O carinho pela mãe. Ele na cozinha todo organizado. A calma e paciência que quase me enlouquecem. O jeitinho de cuidar da minha gata preta. As brincadeiras com a gata amarela. O jeito que senta quando acorda. O modo como encosta a cabeça no meu ombro para ver filme porque fiquei com os dois travesseiros. O beijo no rosto inesperado. As cócegas que a barba faz em mim. A saudade que dá quando ele demora pra chegar, embora sejam boas...Por que ele está sempre comigo mesmo que longe de mim fisicamente. A roupa dobrada sobre a cômoda pra evitar pêlos das gatas. O copo de água que ele busca no meio da noite. As mensagens no celular. Os textos doces que ele faz no seu blog. Ele parado no portão de casa. O seu “ eu te amo” que é dito com palavras e com olhar.

Pedaços da vida que nos trazem dor. Outros trazem felicidade ( pelo menos nesse instante). Partes de um todo de alguém que faz com que o conheçamos. E que nos conheçamos também. Mas principalmente faz com que vivamos...dia após dia . Peço após pedaço....

3 comentários:

  1. Nem sempre consigo expressar em palavras "o que sinto"... Mas faço e farei tudo sempre por você!

    Alguns pedacinhos podem trazer dor, eu sei. Mas quero aos poucos te dar novos pedacinhos de felicidade, pra que no fim das contas esses ruins desapareçam.

    ResponderExcluir
  2. sou um pedacnho bom nehhhhh
    ***

    ResponderExcluir