30 de jul de 2010

Dos sonhos

Ele beijou minha mão. Lábios quentes. Ação antiga. Leve Deja vu...

Debruçou-se em minha direção... Tão próximo que poderia ver sua alma inteira através dos seus olhos. Mas para meu terror vi também minha imagem refletida naqueles olhos castanhos. Pelas suas pupilas dilatas achei-me bonita. Isso era novidade... Uma beleza mística... Segui olhando atentamente a mim nos olhos dele... Embora eu tremesse seguia observando... Aflita cambaleei. E senti seus braços me segurarem. Naqueles buracos negros eu não tinha defesa. Não funcionavam minhas muralhas de proteção. Eu era alma pura. E frágil. Extremamente frágil...

Precisava ficar atenta. Cuidar as palavras, os movimentos e até meus olhares. A sensação era conflitante. Queria prender-me naquele olhar, todavia também desejava fugir. A sensação de não ter controle irritava-me...

Ele abraça-me e sussurra algo em meu ouvido. Não lembro... Não entendo... Sorri e beija meus olhos.

Afasta-se e eu sinto uma dor. Dor da distância...

Aquele anjo deve ter percebido, pois sorriu como quem sorri de uma criança que aprende a dar os primeiros passos. Sinto que ruborizei... O ser celestial aproxima-se. Escuto as batidas do meu coração acelerarem. Ele senta-se no chão. Pega minhas mãos e guia-me a sentar a seu lado.

Ali sentados percebo a beleza dos céus. A escuridão com seus pontos brilhantes...

O anjo afasta-se pouco e então para minha surpresa deita sua cabeça em meu colo.

Um ser perfeito... Sem saber o que fazer, totalmente entregue ao momento, eu levemente toco seus cabelos desalinhados e brilhantes como a noite. Seus olhos voltam-se aos meus e ele sorri.

Por impulso inclino e beijo seus olhos....

Acordei no instante seguinte. Reconhecendo meu quarto...

Sentido-me no controle novamente. Já de pé olho no espelho. A beleza que vi refletida naqueles olhos sumiu.

Só suas palavras ecoavam na minha mente: “ Não sofra pequena, tudo vai dar certo e eu estou sempre com você...”


( Escrito em 29 junho de 2009)

Nenhum comentário:

Postar um comentário