22 de abr de 2010

Morte

Ela nasceu no instante em que eu nasci. E acompanha meus passos.Ela viveu comigo tudo que eu vivi. Será que sorriu ou chorou também?
Ela não tem rosto. Mas tem uma presença constante.
Ela será uma porta a se abrir, mas antes fechará a porta que agora atravesso.
Será que ela me deixará viver tudo que sonho?
Poderei eu ser mãe?
Poderei eu conhecer ou rever certos lugares?
Poderei entender certas pessoas?
Poderei resolver certos problemas?
Poderei eu reler aquele livro que tanto adoro?
Poderei eu dizer mais uma vez que o amo?
Poderei tomar mais um banho de chuva?
Poderei eu fazer aquela ligação que adio dia após dia?
Poderei eu dançar mais uma vez?
Poderei eu terminar aquele sorriso?
Poderei eu escrever um livro ou cantar aquela canção?
O quanto ela me permitirá exprimentar?
Que dia ela me levará?
Como será ? Eu irei calmamente com as águas de um rio tranquilo ou irei fortemente com as ondas revoltas do mar?
Sei que ela está aqui ao meu lado, permitirá ela que eu termine esse texto?
Morte que nasceu comigo...Não penso tanto em você assim. Mas tem dias que essas perguntas me perseguem...E eu sei que elas não terão respostas por enquanto. E o dia que tu me responderes, talvez eu não possa escrever outro texto....

(12/09/2006)

Um comentário: