22 de jan de 2010

Pesadelos reais



Estava perdendo o sono. A cada noite era mais difícil dormir. Ou seria um tipo de proteção que não a deixava dormir?
Para entender o que aconteceu com aquela menina voltaremos algumas noites antes.
Ela acordava durante a madrugada cansada. Como se estivesse corrido muito ou lutado. Curiosa com o que estava acontecendo forçava sua mente a lembrar dos seus sonhos.
As noites passavam e as imagens que recordava não faziam muito sentido. Havia apenas um casal. Pareciam estar tendo relação sexual. Outras vezes pareciam brigar. O homem prendia a mulher e esta não tinha mais resistência alguma...
Depois de uma semana de busca nos próprios sonhos a garota acorda tremendo...
As imagens faziam sentido agora. Ao ver o rosto do casal viu a si própria e um homem extremamente belo...
Poderia ignorar tais memórias se não fosse o estado em que acordava. Não podiam ser meros sonhos...Precisava de respostas...
Antes de adormecer ela repetia várias vezes a si mesma...Que ao acordar lembraria cada detalhe. Deduzia que não poderia combater algo que não conhecesse.
Conseguiu muitas lembranças. Em algumas ela estava fazendo sexo com aquele homem. Ele parecia saber dar-lhe muito prazer. Nas suas memórias essas cenas eram como as de um filme. Um filme extremamente luxurioso onde o belo rapaz facilmente lhe satisfazia. Porem as cenas foram mudando. Ela passará a lutar contra o homem. Que não aceitava sua recusa. Seria por isso que seu corpo amanhecia com algumas marcas às vezes? Curiosamente as outras lembranças mudaram. Já não era o mesmo homem que lhe procurava. Aquele rosto era conhecido. Era seu ex namorado!
Nada fazia sentido. Sonhos completamente insanos! Todavia ela não conseguia parar de buscar por respostas. Todos os dias acordava exausta e muitas manhãs com marcas na pele. E a sensação que tinha era a mais conflitante. Embora o homem parece com seu ex namorado seus sentidos lhe diziam que era o mesmo...
Irredutível adormecia repetindo a si mesma: " É um sonho. Apenas um sonho. Quando acontecer acorde. Acorde..."

***

Sentia um corpo deitado ao seu lado. Que foi passando as mãos pela sua nuca, suas costas, descendo até suas coxas fazendo com que ela se arrepiasse. Em seguida sentiu beijos pelo seu corpo...E mãos que acariciaram seus seios de maneira muito provocante. A boca tocou o mamilo e fez com que ela se contorcesse de desejo. A língua quente desceu pelo abdomem até que permaneceu lhe dando prazeres incríveis...
Após o primeiro orgasmo, sentiu que era penetrada e o prazer era impossível de descrever...
Então abre os olhos. Mesmo que estivesse de olhos abertos ( pelo menos essa era a sensação) agora realmente podia ver onde estava. Era sua cama..Seu quarto...E ele estava ali possuindo-a por inteiro...Quase deixou-se levar...Quando lembrou do que dizia todas as noites: "É um sonho. Apenas um sonho. Quando acontecer acorde. Acorde..."
Empurrou aquele homem com força. Estava mesmo sonhando! Precisava acordar!
Mas como se acorda de um sonho em que sabemos que sonhamos? Como se acorda de um sonho lúcido?
Forçar o afastamento dele de si não adiantava. Suas forças eram inferiores e ele permanecia com o membro dentro dela ainda tentando lhe seduzir pelo prazer.
Insistindo com a luta, sentiu que ele lhe apertou fortemente os braços dizendo que a amava...Que não precisava ter medo...Que estaria sempre com ela...

Foi a primeira máscara daquele ser que caiu...


***

" - Não é ele. Sei que isso é um sonho. E sei que você está apenas usando a imagem dele para me enganar. Além disso, ele jamais conheceu meu corpo ou me amou realmente. Saia! Saia"
O ser parou...Ainda dentro dela....A manteve presa na cama e apoiou sua cabeça contra o seios da pobre mulher...Ao levantar a imagem era daquele jovem belo dos primeiros sonhos...

- Muito bem tola humana. Noite de sorte...Hora de acordar...- O ser diz enquanto sai de cima do corpo da mulher.

***

A cada noite que acordava depois daqueles pesadelos sentia-se cada vez mais confusa e perdida. Estava exausta e já temia dormir. Algumas noites resistia bravamente em outras não tinha força para suportar uma luta. E simplesmente permitia que a possuísse.
Quanto mais lutava mais consciente de seus sonhos ficava. E mais a criatura parecia sentir-se atraída pela mulher.
Seus sonhos estavam tão lúcidos que mesmo estando sonhando, podia ouvir o que acontecia em volta de seu quarto no momento que seu corpo dormia. Sabia o que os vizinhos estavam falando, as músicas que escutavam nas suas festas. Ouvi a vizinha tirar o carro da garragem...Era como estar em dois lugares diferentes ao mesmo tempo.


***

As noites continuavam assustadoras. Mas agora essa ligação do mundo de seus sonhos e o dito mundo real pareceu dar mais forças para que ela lutasse. Disposta a pelo menos evitar os ataques, toda vez que o ser aparecia ela buscava acordar. Não era tão fácil quanto parece. Eram muitas tentativas falhas....E o pior era o "falso despertar". Algo que parecia divertir aquele monstro.
Era assustador pensar que acordava e segundos depois perceber que permanecia dormindo. Tentar novamente....E continuar dormindo... Um tipo de eterno despertar...
Mas creio que isso não era o pior... As coisas pioravam quando ela acordava, e após ter certeza que estava acordada e segura...Sentia que seus olhos pesavam...Escutava uma voz próxima a seu ouvido. Um sussurro...Um encantamento que a levava direto para os sonhos...Um toque entorpecedor no corpo...Uma necessidade imensa de adormecer...
Algumas vezes voltava a dormir...Outras ligava para alguém para tentar manter-se acordada...

***

Uma noite, enquanto lutava com o ser... Desesperada pronunciou coisas que não pareciam lhe fazer sentido. Mas que fez com que a criatura parasse e olhasse dentro de seus olhos. Como se procurasse entender o que estava acontecendo.
Percebendo sua fragilidade de momento, a mulher ordenou que o ser se mostrasse. Ela exigia saber quem ele era. Ou o que ele era...
Porém não esperava uma visão tão assustadora.
A primeira coisa a mudar foi o rosto. Aquela beleza incrível dava lugar a uma pele escura, fétida, olhos sangrentos, dentes que caiam. As mãos deixavam cair um tipo de infecção repugnante, com unhas afiadas e sujas. O resto da pele dividia-se em sangue, pus, escamas...
Empurrou a monstruosidade para longe. E disse para nunca mais voltar a atacá-la...Ele riu-se...Afirmando não ser o único da sua espécie.
Quando ele sumiu, a mulher acordou...Sentia-se melhor apesar da visão que teve. Afinal depois de tantos meses naquela luta, finalmente sentia-se mais forte. Capaz de defender-se.
Mas....O que era aquela coisa? E quantos mais deveriam existir? Voltariam a atacá-la um dia? Todas as pessoas passariam por isso e nem perceberiam?
Eram tantas as perguntas...Todavia os questionamentos podiam esperar. Finalmente ela iria dormir...Talvez sonhar...

5 comentários:

  1. é, eu sei...nao combina com o que sempre escrevo aqui...hehehehe
    Mas o texto nasceu.....neh

    bjusss

    ResponderExcluir
  2. Agora nos 2 estamos mais fortes; Isso que importa.

    ***

    ResponderExcluir
  3. Com apenas um pesadelo nasce a historia, nao real nem um pouco alias,pois jamais poderia tal criatura tocar seu corpo, nao com a protecao que carregas em seu "Coração"!

    ResponderExcluir